Programa de Proteção Respiratória da FUNDACENTRO

 In Notícias

O Programa de Proteção Respiratória da FUNDACENTRO (PPR) está em sua 4° edição, lançada em 2016. Este programa sempre teve como objetivo desenvolver diretrizes para um programa robusto trazendo eficiência para proteção indicada pelo respirador em ambientes de trabalho, mas sempre lembrando que o uso de EPIs é para quando não for possível eliminar o risco respiratório do ambiente.

Este PPR da FUNDACENTRO esta amparado na IN 001 do Ministério do Trabalho onde diz: “Para a adequada observância dos princípios previstos neste artigo, o empregador deverá seguir, além do disposto nas Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho, no que couber, as recomendações da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho –

FUNDACENTRO contidas na publicação intitulada “PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA – RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES” e também as Normas Brasileiras, quando houver, expedidas no âmbito do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – CONMETRO.”

Nesta 4° edição tivemos algumas mudanças, uma das impactantes foi na forma de ensaio de vedação proposto, nas verções anteriores tinhamos somente o ensaio de vedação qualitativo, mas nesta 4° edição também trás o quantitativo. Conforme o item 8.2 deste PPR da FUNDACENTRO diz: “somente são indicados para as peças um quarto facial, semifacial e semifacial filtrante. Os ensaios quantitativos se aplicam a todas as peças mencionadas anteriormente e também à peça facial inteira e ao capuz com peça semifacial em seu interior. Se não for possível realizar o ensaio de vedação quantitativo em respiradores com peça facial inteira por ausência do equipamento necessário, o ensaio de vedação qualitativo é aceitável. Neste caso, porém, o respirador com peça facial inteira somente poderá ser utilizado quando o FPMR for menor que 10” Isto quer dizer que será necessário realizar para alguns modelos como o respirador Facial inteiro para manter o FPMR (Fator de Proteção Mínimo Requerido) um ensaio quantitatido, este ensaio é realizado por um aparelho que tem um custo elevado, mas já há empresas que realizam o ensaio cobrando por colaboradores. Mas há possíbilidade de continuar utilizando o qualitativo, porém o FPMR cai drasticamente para 10, e vai depender a exposição no ambiente de trabalho que deverá dimencionar um FPMR menor que 10 para ser aceitável.

Esta é apenas uma parte do PPR, que trás 13 capitulos e 15 anexos em 210 páginas, para atualizar nossos leitores o Portal do SESMT vai escrever periodicamente em seu portal comentando cada capitulo e anexo, completando todo o PPR até julho de 2017. Mas para os profissionais cadastrados no Portal iremos auliar em dúvidas pontuais.

Recent Posts

Leave a Comment